quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Meu irmão também voa!

Quis ressuscitar esse vídeo de quando viajei pela primeira vez com meus irmãos, para Santiago, Chile. Feliz Aniversário Thiago! Você é um Super-Irmão!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Inspeção Secundária

Depois de ter que sair correndo dos EUA, para entrar com um outro visto, cheguei ontem nos EUA pelo aeroporto de Los Angeles vindo do Peru, e fui mandado para inspeção secundária porque os agentes de imigração não acreditaram na minha história. Eu disse a eles que vinha voar um aviãozinho do Alasca ao Brasil e eles me olharam como se eu fosse um louco. Minha foto e meu nome num artigo da aeromagazine foram excelentes para acreditarem que coisas assim(sonhos), as vezes acontecem na vida (se tornam realidade), mas somente depois de 3 horas de espera, agonia e respondendo perguntas. Valeu fotógrafo e jornalista, Ricardo Beccari e Gerson Sintoni, pelo artigo na revista!
After having to leave US "immediately" to enter with another VISA, I arrived yesterday in LAX from Peru, and was sent to secondary inspection in the border, because they could not believe my story. I told them I was coming to fly a little airplane all the way from Alaska to Brazil, and they looked at me as if I was crazy. My picture and my name in an article in Aero Magazine helped them to believe that yes, things like this (dreams) sometimes happen (come true) in life, but just after 3 hours of waiting, answering questions and nerve racking. Thank you photographer and journalist Ricardo Beccari and Gerson Sintoni for the nice article in that magazine!

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Muito obrigado "Imigração americana" por essa semana no Brasil!

Foi meio que escondido que conheci os dois últimos países, já que preparava uma surpresa para minha família e minha mãe, no dia do seu aniversário. Cheguei em casa dentro de uma caixa, embrulhada de presente. A reação da minha mãe? Tá no youtube, claro:


Foi muito bom matar a saudade de todos, família e amigos! ( )'s

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Um tour no umbigo da terra - Equador

Como eu só tinha uma tarde e uma noite  para conhecer Quito, meu "tour" começou da janelinha do avião. A aproximação para o aeroporto de Quito foi contornando o Pichincha, um vulcão ativo, doméstico - por estar tão próximo à cidade. A sua fúria as vezes amedronta a cidade, deixando-a embaixo de cinzas. Mas dessa vez me pareceu apenas um pacífico lugar para voar de parapente. (Minha "lista de balde" não para de crescer). Com um mapa nas mãos, lá fui eu tentar caminhar pelo centro histórico da cidade, que me lembrou Ouro Preto com suas estreitas ruelas, construções históricas e claro, muitas igrejas que me abrigavam da chuva que despencava do céu. Subir uma ladeira de Quito é porém, como subir duas da cidade mineira, já que por aqui não tem tanto oxigênio disponível nos mais de 2800 metros de altitude da cidade. O pior é quando a chuva está caindo e a próxima igreja está no alto de uma ladeira. A gente chega lá com o coração batendo forte! Assim como em muitas cidades católicas da Europa e das Américas, as igrejas sempre me impressionam. Mas elas se destacam aqui, na América Latina, onde se impõem, as vezes no meio de muita pobreza, deixando claro a pompa e riqueza da "casa de Deus".


Na hora de encher a pança fui escolher entre as comidas típicas, tripa mishqui e chaulafau. Meu espírito aventureiro sempre me abandona nessas horas e acabei escolhendo o segundo, que parecia um mexidão de arroz com um delicioso tempero. Pela noite, comi uma deliciosa sopa ucraniana na casa da Adriana, onde reunimos eu, uma francesa, dois alemães, uma ucraniana, duas chicas de Guayaquil e um de Quito. Essa experiência multicultural foi graças, claro, mais uma vez ao Couchsurfing.org.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Um giro pela América Central, "no meio do caminho" - Costa Rica

Sábado a noite depois da lição de helicóptero, cheguei em casa e recebo uma surpresa: A tão esperada carta com a resposta do meu pedido de extensão de visto de estudante. No fim da segunda página uma palavrinha mudaria completamente meus planos para pelo menos as próximas duas semanas. O pedido foi "denied", negado! E ainda que houvesse um erro por parte do serviço de imigração dos EUA em relação ao tipo do visto em questão, a partir do momento em que eu recebi a carta, me tornava mais um cidadão ilegal nas terras do Tio Sam! Para não prolongar esse status non grato, passei a madrugada procurando um voo "bom" e barato, e no Domingo, já me embarcava para Costa Rica.


Foram apenas dois dias. No primeiro, caminhei durante horas pela ruas da capital, San Jose. A cidade lembra algumas cidades de médio porte brasileiras. Devo confessar que fora o enorme número de maritacas que gritavam e voavam aos bandos pelo centro da cidade, em um dia (chuvoso), nada chamou muito minha atenção. O povo me pareceu simpático. Começando com um piloto da Taca que voava ao meu lado como passageiro junto com a família no voo de Los Angeles a San Jose e fechando com chave de ouro com a divertidíssima Anita, com quem passei o segundo dia viajando ao Vulcão Poás. Mesmo já tendo estado em várias "expedições" a outros vulcões, na América do Sul, Hawaii, e Estados Unidos, esse foi o primeiro em que eu pude presenciar o que se qualifica um vulcão como "ativo". A fumaça era espessa e constante, mas sua cor branca parecia inofensiva apesar do cheiro de enxofre e do calor. Um pouco mais de caminhada numa trilha de uma verdadeira mata com lindos pássaros e um verde exuberante nos levou à uma outra cratera, inativa, onde um lindo lago azul se formou. Mas essa cor também colore outras águas nesse país, que é banhado pelo Caribe e também pelo Oceano Pacífico. Essas águas porém, espero navegar em uma outra oportunidade!
Costa Rica, Outubro 2011