segunda-feira, 28 de novembro de 2011

El Paso, uma cidade americana, mexicana.

El Paso e Ciudad Juarez, divididas por um muro

"Dona Ana Tráfego, November 55473, 5 milhas à oeste aproximando para pouso, pista 100, Dona Ana" Após essa frase padrão para pouso em um aeroporto sem torre de controle, tenho a surpresa de escutar meu nome no rádio: "É o Gustavo na final?". "Afirmativo" respondi rindo. Era o cara do couchsurfing que me hospedaria em El Paso. Carlos, que também é piloto, estava voando quando me escutou no rádio e pousou logo atrás de mim. 
Eu sempre digo que a maior riqueza que encontro nas viagens são as pessoas, mas se eu fosse escrever sobre cada uma que eu encontrasse isso seria um blog de homenagens, não um blog de viagem. Mas Carlos é o perfeito exemplo de como vale à pena usar o couchsurfing.org para se hospedar de graça. A idéia não é somente dormir sem pagar nada, mas conhecer de perto o povo e a cultura de algum lugar. E ninguém melhor do que um mexicano, como o meu anfitrião, para se hospedar em El Paso. A cidade está colada na mexicana Ciudad Juarez, estão separadas por um muro apenas. Se eu vacilasse um pouquinho eu podia ter acabado pousando num aeroporto do México. E parece que todos do lado americano também são mexicanos. Até a polícia de fronteira, por incrível que pareça, tem traços mexicanos. 
Carlos sempre amou aviação e é um exemplo de alguém que com muita garra e dificuldades tem realizado seu sonho de voar. Quando chegou nos EUA sem poder trabalhar legalmente, se ofereceu para esfregar banheiros no aeroporto local só para estar perto dos aviões, e seus serviços acabaram se tornando horas de voo, e hoje, ele já tem suas quase 500 horas de voo. Ele parece um personagem de sedenho animado. Divide um pequeno apartamento com sua irmã, e dorme literalmente, dentro de um closet. Mas parece nunca reclamar de nada, fala que nem maritaca e diverte qualquer pessoa com um sorrisão estampado na cara. Até quando se acidenta. Após um churrasco com seus amigos, já pela noite, Carlos cai do skate e esborracha a cara no chão, ensanguentado, Carlos continua rindo e fazendo piadas. Mas sua irmã o leva para casa com Adam e ela acabou me deixando numa festa de uns indianos, amigos de Carlos e no fim das contas acabei dormindo no sofá dos amigos tchecos de Carlos. Quanta diversidade cultural! 
No dia seguinte um voo pelo deserto nos levaria até Austin, no Texas. É impressionante sobrevoar El Paso e a Ciudad Juarez e ver claramente a divisa dos dois países. Essa cidade mexicana é considerada uma das mais perigosas do mundo, e lá de cima parecia uma gigantesca favela a se perder de vista no horizonte seco e árido.

5 comentários:

  1. COMECEI A USAR,SEM AUTORIZAÇÃO,SOLICITANDO AGORA,OS SEUS COMENTÁRIOS CITADINOS EM MINHA SALA DE AULA,COM ALUNOS,ACOMPANHADOS DE MAPAS.ESTÁ SENDO UM GRANDE DIVERTIMENTO.GOSTARIA QUE SOUBESSE E ME PERMITISSE CONTINUAR.JCLEIDO.

    ResponderExcluir
  2. QUE PRIVILÉGIO DESTES ALUNOS!!! DEVEM SER AULAS BEM INTERESSANTES E PRODUTIVAS.
    PARABÉNS MAIS UMA VEZ GUSTAVO, SEU Vôo TEM SIDO UM PRESENTE CULTURAL!!!

    ResponderExcluir
  3. Cleido! Fico muito feliz que possa usar meu blog na sala de aula! Qualquer dica geográfica de onde passar/visitar entre a flórida e o Brasil passando pelas ilhas do caribe, me avise! Abração!

    ResponderExcluir
  4. Seus posts estão aprimorando cada dia mais Gust.. Uma história mais legal que a outra... Parabéns...
    No terceiro parágrafo está escrito sedenho, seria desenho... correria né?? Abração mano!!!!

    ResponderExcluir
  5. Fala Thiago! hehe era pra ser desenho mesmo, valeu! Abração!

    ResponderExcluir