segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Sobre os passageiros e tripulantes

 
 Quinta-feira parti para o Canada, decolei de Seattle e pouco tempo depois recebia permissão para pousar em Victoria, na ilha de Vancouver. Já em solo, com instruções de manter "todos os passageiros" a bordo até que o processo de imigração concluísse, meu (único) passageiro permaneceu no avião, enquanto eu por telefone, respondia as perguntas do oficial da alfândega, para então receber o "privilégio" e autorização de visitar esse país, repito, por telefone! Que contraste com a primeira vez que estive no Canadá quando eu e meu amigo Luigi fomos completamente revistados! Em compensação dessa vez, não tinha ninguém pra deixar o suvenir, digo, carimbo no meu passaporte...
Nesse primeiro trecho da viagem (que estava planejado para durar dois dias, mas devido ao mau tempo tem se prolongado para seis) tive a honra de levar um passageiro mais que especial. Seu nome é Don Johnson e hoje ele é mais que um amigo. Pela sua idade eu poderia dizer que ele é como um segundo pai, mas às vezes ele parece ter o espirito de uma criança, e sou eu que tenho que chamar sua atenção: "Don Johnson! Don't do that!", sempre na brinacadeira, claro. Ao mesmo tempo é um conselheiro e o principal incentivador dessa jornada. Ele é um verdadeiro viajante, não tem frescuras para se hospedar em hostels (albergues) e já desbravou boa parte da América Latina de ônibus, após aprender espanhol depois de seus 50 anos de idade. Hoje, aos 65, com o grande desafio de cuidar de sua esposa, Barb, que sofre de Alzheimer, está aprendendo português e se reinventando, deixando claro a lição de que nunca é tarde para nada. Amanhã quando chegar em Seattle, se o tempo permitir, vou trocar de passageiros. Deixo o Don e entra o Adam, que vai seguir a viagem comigo até o Brasil. Adam é uma das várias pessoas que me perguntou: "Posso ir com você?". Eu adoraria poder levar a maioria dessas pessoas, mas o Adam foi o único que passou no teste de nadar em um lago com temperatura próxima à zero! Brincadeira, não teve nenhum teste, mas ele ele nadou sim nesse lago após horas de caminhada numa trilha, se mostrando uma excelente companhia para essa aventura. Mas ele vai além de um grande amigo e companhia, não vai ser um mero passageiro, será tripulante, meu co-piloto nessa jornada! 

Adam Roberts, nadando em uma água quase congelada!

4 comentários:

  1. O Don é ótimo! Manda um abração pra ele e sua família! Pena que não deu pra você ir ao Alaska. Mas oportunidades virão! Beijo Gu!

    ResponderExcluir
  2. Isso ai Gust, Vai atualizando...

    Thiago

    ResponderExcluir
  3. Com certeza dará um maravilhoso livro sua grande jornada, e vamos ter o privilégio de acompanhar. GOD BLESS YOU ALL THE TIME!!!!!!

    ResponderExcluir