sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Flórida - Um estado bacana para ficar " agarrado".

Ficar agarrado na Florida não estava nos planos, mas já faz mais de duas semanas que estou no estado do Mickey Mouse, e parece que vou ficar aqui por um bom tempo ainda. Estou esperando conseguir o certificado de exportação para o avião pra conseguir vende-lo no  Brasil e essa semana eu descobri que é possivel que eu fique agarrado por mais de um mês. 
Na primeira semana aluguei um carro para levar Adam no aeroporto de Tampa. Reservei o mais econômico pela internet e quando fomos buscar o carro, o econômico não estava disponível e eles tiveram que nos dar o que tinham: Um mustang, novo em folha por $27 por dia. Nada mal, e lá vou eu buscar um lugar barato para dormir em tampa e encontro o albergue do vovô. Esse foi um dos hosteis mais legais que conheci. O quarto coletivo era dentro de um ônibus antigo e entre os viajantes conheci um bocado de gente boa, incluindo um piloto da forca aérea francesa, o vovô, dono do albergue, umas garotas e Dominik, um suíço com quem fui conhecer a disney e praias incríveis como Siesta Key e Daytona Beach. Confesso que ficar agarrado aqui tem sido bem interessante. Através da ajuda de pessoas do couchsurfing, tenho explorado a costa da Flórida banhada pelo Golfo do México. Nos últimos dias tenho andado a cavalo, kayak, trekking, encontrei e nadei com peixes-boi selvagens em um rio de água cristalina, pedalei dezenas de quilômetros entre cidades costeiras, pilotei, ganhei uma carona de helicóptero até Miami, entre outras coisas. São tantos encontros e tantos casos acumulados principalmente no lado não tão conhecido da Flórida, que eu não sei por onde começar e acabo procrastinando em compartilhar aqui no blog. Por enquanto vai esse "resumo" mesmo...


Essa é a baleia orca que matou uma treinadora um tempo atrás no Sea World em Orlando.  Várias controvérsias surgiram  com relação à qualidade de vida desses animais em cativeiro, mas conversando com uma funcionária do parque eu tive uma versão (boa de se acreditar) do que aconteceu. A treinadora estava com um rabo de cavalo diferente no cabelo, a baleia pensando que era um outro brinquedo à agarrou e à levou para a água sem que ela tivesse tempo de respirar. Foi uma fatalidade. Eles tem a política de ensinarem os animais apenas com recompensa, e acabam fazendo um show surpreendente. O que mais me impressionou é a sincronia dos saltos e dos números com as músicas. É de arrepiar! Mas realmente dá a impressão de que elas vivem numa banheira... (Sea World, Orlando, Fl)
Para quem cresceu andando a cavalo, não é de se admirar me vendo em cima de um cavalo, sem freios. Já andei um punhado de vezes até sem cela. Mas dessa vez, tive que reaprender a andar a cavalo. Esse da foto, de um couchsurfer em Tampa foi treinado com uma incrível técnica chamada de parelli, que se baseia numa relação de profundo respeito e carinho entre o homem e o animal. Para se ter uma idéia, para freiar o bicho eu só tenho que que relaxar a barriga (a minha!) e as costas e expelir o ar. Virar? É só mover meu rosto e corpo levemente para o lado desejado. (Wesley Chapel, Fl)
Estava à um metro desse peixe-boi tomando fotos quando ele saiu da água pra respirar, me viu, se aproximou, deixou que eu o acariciasse por uns 10 minutos! Eu acabei pulando na água para nadar com eles. Reparem como a água é cristalina. Isso não é não é um cativeiro onde se paga uma fortuna para se ter uma experiência dessas. Até o caiaque foi emprestado. Mas claro, tem que contar com a sorte para encontrar com essas criaturas no rio. (Crystal River, Fl)