sábado, 3 de março de 2012

Sim, ainda na Flórida...

Quando estava no aeroporto de Venice, acabei conhecendo um piloto de helicóptero e avião, que como eu já mencionei me deu uma "carona" num Eurocopter novo em folha até Miami. Carona está em aspas porque até então, eu não tinha nenhum plano de visitar Miami, na verdade eu já tinha até um quarto reservado em Venice. Naquele dia eu fui até o aeroporto para pegar alguma coisa que eu tinha esquecido no avião e então me apresentaram Kamal, que em cinco minutos de conversa me falou: "Estou decolando de helicóptero para Miami em uma hora, que vir junto?" -Claro!!!, disse todo animado sem pensar na logística de ter que passar no quarto onde estava hospedado, por a bicicleta dobrável no porta-malas do carro, devolve-lo na locadora e pedalar de volta para o aeroporto. Quarenta minutos se passaram e eu ainda estava na locadora, já meio que desesperado pensando em pedalar o mais rápido possível para o aeroporto que não estava muito perto, perguntei o atendente se existia a possibilidade de me darem uma carona. E não é que um dos clientes me disse que estava indo também para o aeroporto com um caminhão alugado e podia me levar? Coincidência?? Espera... Seguindo para o aeroporto a gente descobre que estávamos indo para o mesmo local: Sarasota Avionics! Só faltava a gente estar indo encontrar a mesma pessoa: Kamal E não é que era mesmo! Tudo conspirava para eu ter aquele inesquecível passeio de helicóptero e conhecer melhor aquele piloto que já trouxe várias aeronaves pilotando ao Brasil. Com todos os cinco assentos de trás só para mim fui curtindo o visual de costa oeste á leste desse estado plano que é a Flórida. A 500 pés, bem mais baixo do que estou acostumado a voar, sobrevoamos o parque Everglades e se o helicóptero não fosse tão rápido, e eu não tivesse tão interessado em observar como o Kamal pilotava aquela máquina, acho que eu até teria chance de ver um par de jacarés. O preço dessa experiência única foi alugar um carro quando cheguei em Miami dirigir por quatro horas para voltar para Venice. Quase nada né?! 

Na outra semana, quando eu decidi ir para Miami voando o cessninha, o Kamal ficou sabendo e me pediu para trazer de lá uns fones de ouvido. Encontrei com ele no aeroporto de Fort Lauderdale e como eu iria para Miami Beach, ele me ofereceu uma carona. De que? De helicóptero! Voamos ao longo da praia e ao lado dos prédios marcantes de Miami, junto com o por do sol. Em um deles Kamal pairou para poder dar um tchauzinho para esposa e para todo mundo que saía nas janelas para acenar também. Quando sobrevoamos um navio de cruzeiro pude ver também centenas de pessoas acenando para a gente. Deu uma vontade enorme de terminar meu curso de helicóptero! Mas uma coisa de cada vez né... Como por que não, aprender a pilotar um avião complexo e de alta performance como o Piper Malibu Matrix? Depois de parapente, planador, R22, Cessna 172, esse seria a próxima aeronave que eu colocaria as mãos nos comandos. Á essa "transição" se dá o nome de UP-GRADE, com letras maiúsculas mesmo. Calma, eu ainda amo o cessninha e juntos ainda chegaremos ao Brasil. Mas como o Kamal decidiu me treinar nesse avião incrível, não posso perder a oportunidade. Até porque só estourei um "dead-line" ainda: o natal. O próximo, é o casamento do meu irmão, em maio. E se eu estourar esse, tenho até o próximo natal para chegar em casa. (Brincadeira Thiago!)
Voar o Malibu com toda aquela instrumentação high-tech me fez sentir jogando um jogo, ou usando um simulador. Estranhei tanto o silêncio que pensei que a cabine era pressurizada. Só mesmo vendo as nuvens passando pela janela para acreditar que a gente estava realmente voando. Como co-piloto e tarefa de fazer a comunicação via rádio, meu maior desafio foi falar o prefixo do Malibu. Depois de meses voando apenas o Cessna November 55473, meu cérebro custou a entender que era hora  de dizer Malibu November 426M(ike)R(omeu), clear to take off (decolagem autorizada). Valeu Kamal!
Durante essa estadia acabei conhecendo também um jovem piloto da Lan Chile que comprou uma casa velha para reformar, e antes que ele mude estou dando uma mão na reforma da casa, garantindo assim um lugar para ficar e boas risadas. (As aventuras aéreas que tenho escutado do Jesse e de seus amigos - também pilotos da American Eagle, Spirit, etc, são no mínimo engraçadas para não dizer assustadoras) Valeu Jesse!