domingo, 7 de julho de 2013

Guiana. Nossa primeira parada em um continente ou apenas outra ilha?



De Porto de Espanha seguimos a costa do Atlântico norte da Venezuela e da Guiana num extenso trecho de voo para aterrizar na capital daquele país: Georgetown. A comemoração de chegar na América do Sul e de estar finalmente em um continente contrastou com o isolamento daquele país. Durante o voo eu só via matas e florestas bem densas e elas acabam formando 80% do país. Guiana me deixou a impressão de ser uma ilha mais isolada do que as próprias ilhas caribenhas com algumas pinceladas a menos de cor. 

Os oficiais no aeroporto, o taxista, os funcionários do albergue nos trataram sempre com muita simpatia. O "Hotel" Tropicana, onde nos hospedamos era uma das opções mais simples que encontramos e ficava no segundo andar de uma boate cujo lema é algo como: “A noite toda”. A construção simples de madeira tremia tanto com a música alta que junto com o calor e a umidade infernal nos deixou claro que a “noite toda” era para ficar acordado, mesmo que fosse no meio de uma semana. 

Caminhamos pela cidade no fim da tarde e junto com dois mochileiros ingleses que também se hospedavam no Tropicana, comemos em uma churrascaria brasileira que de brasileira só tinha mesmo o nome. Georgetown (ainda bem que em português não traduzimos para: Cidade do George!) não tinha muito a oferecer. As ruas eram um pouco sujas e bagunçadas. Parecia (e era!) longe de tudo: do aeroporto (1 hora de táxi) e de outras cidades grandes (alguns pares de milhares de quilômetros). Como a pior coisa a se fazer é generalizar um país pela capital eu prefiro acreditar que eu perdi muito por não ter explorado as outras partes do país, sua floresta amazônica, rios e cachoeiras, como a Kaietur Fall em que nossos amigos ingleses visitariam no dia seguinte a bordo de um pequeno avião. 

As Guianas e o Suriname são países que sempre chamaram minha atenção. São os nossos vizinhos que lá do sudeste a gente nunca ouve falar nada deles. A Guyana “inglesa”, que hoje é completamente independente da Inglaterra, é o único país na América do sul em que se fala inglês e a usar (junto com o Suriname) o lado esquerdo para direção. Curioso para saber mais desse nosso vizinho acabei encontrando um fato curioso e triste da história guianense. Jonestown, uma comunidade no noroeste do país foi o plano de fundo de um dos maiores casos de suicídio/assassinato em massa. Liderado pelo ‘‘reverendo’’ Jim Jones de um segmento cristão americano, Templo do Povo (People’s temple), mais de 900 pessoas, (inclusos mais de 300 crianças e maioria estado-unidenses) foram mortas em um só dia no final de 1978. Esse é mais um exemplo na nossa história de como somos facilmente influenciados e manipulados por um bom orador que com um livro na mão julga ter a palavra e executar o desejo de “Deus”. Religiões fundamentalistas, dessas que crescem tanto no Brasil e mundo afora, liderados por gente que diariamente tenta inclusive infiltrar na nossa política(em um estado que dizemos ser laico), não fazem muito diferente ao aprisionar as almas de tantas pessoas, forçando-as a viver em nome de um falso amor e escravizando-as pela culpa. 


No dia da partida, saímos do hotel, as 5 da manhã de uma quinta-feira e a música e o barulho da boate ainda seguia em potência máxima. O próximo destino era Cayenne e como eles exigem visto para brasileiros não tínhamos certeza se poderíamos passar a noite na Guiana Francesa, caso contrário teríamos que, após abastecer, seguir viagem para o Brasil.

O ronco do motor do avião era como música de ninar depois de tentar dormir em quartos em cima de uma boate.
Mais fotos aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário